NAVEGUE AQUI

terça-feira, 26 de outubro de 2010

INDULGÊNCIAS EVANGÉLICAS.

             Enquanto minha esposa e eu, em trabalho de equipe, preparávamos nosso almoço, nosso rádio estava sintonizado em uma emissora evangélica. Hinos, pregações, testemunhos e um forte apelo financeiro. Até aí meu estômago estava conseguindo digerir, mesmo com alguns espasmos de vômito, por ouvir mais a palavra prosperidade, que Deus, Jesus, salvação e libertação.
Mas teve um momento em que o ministrante se superou: “Se você começar a investir financeiramente em nome de seus familiares não cristãos, Deus irá salvá-los. Entregue sua contribuição em nossa igreja, seja fiel e aguarde”.
Aqui, vejo pelo menos duas inverdades, sendo que a primeira é heresia e a segunda é escambo mentiroso:
1-      A salvação é fruto de se ouvir a Palavra de Deus e pela fé ser reconciliado com Deus. Quem não tem dinheiro pode ser salvo, Jesus já pagou o preço na cruz;
2-      Nenhuma igreja tem procuração de Deus para ser a única arrecadadora das ofertas que os fiéis trazem pela fé. A janela do céu se abre se as contribuições forem entregues aqui, nós temos a chave.  Entregue sua contribuição na igreja onde você é pastoreado, e não manipulado.
Fui salvo da crise de ira quando recebi um email com um texto do pastor Ricardo Gondim e aqui destaco um parágrafo:
“Os neo-pentecostais retrocederam ao catolicismo medieval. É pré-moderna a religiosidade que estimula valer-se de amuletos “como ponto de contato para a fé”; fazerem-se votos financeiros para “abrir as portas do céu”; “pagar o preço” para alcançar as promessas de Deus. Desse modo, a magia espiritual da Idade Média se disfarçou de piedade. A prática da maioria dos crentes hoje se concentra em aprender a controlar o mundo sobrenatural. Qual o objetivo? Alcançar prosperidade ou resolver problemas existenciais.”
Neste aniversário da Reforma Protestante é bom lembrar que a Igreja de Roma tornou-se rica, sua sede é um país e suas lideranças têm peso diplomático, poder conquistado por meio de venda de indulgências e relíquias e que, lamentavelmente, tal fenômeno está se repetindo entre nós “reformados”.
Será que a sede de poder, não de Deus, que deformou a Reforma com um evangelho que não transforma, está nos levando de volta à idade das trevas, na qual a igreja deixou de ser pobre para ser podre?
Que Deus me ajude a ser um cristão não apenas reformado, mas, acima de tudo, transformado!
Walter da Mata

COMPARTILHE:

4 comentários:

  1. Tal comportamento nos entristece. Não só a posição de tais igrejas, mas também o apego de alguns cristãos ao dinheiro que os cega e os deixa ser guiados por estas teologia$. Deus levante Luteros nos dias de hoje!

    ResponderExcluir
  2. Ricardo (blackmano)27 de outubro de 2010 19:37

    É por estes motivos e muitos outros que muitos falam: Que isso, esse négocio de ser evangelico é só pra ganhar dinheiro, utilizar a palavra de Deus... fazer Lavagem cerebral (também conhecido como Reforma de pensamento ou Reeducação). Que Deus nos guarde!

    ResponderExcluir
  3. Devemos sim pagar um grande preço por todos os nossos problemas, devemos sim glorificar toda a obra que Deus faz em nossas vidas, devemos sim nos empenhar em oração e consagração por nós, nossa família e nossos amigos, principalmente aqueles que não tiveram o prazer de alcançar a misericórdia de Deus. No mais, os que estiverem deturpando a Palavra do Senhor, temos é que orar e nos consagrar mais ainda para que todos eles sejam também salvos, através de uma verdadeira regeneração, transformação e conformação à imagem e semelhanaça de Deus.

    ResponderExcluir