NAVEGUE AQUI

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

EU ME ENVERGONHO

Paulo disse: “ Não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para Salvação de todo o que crê.” Nos seus dias, assumir seu compromisso com o Evangelho, significava pensar e viver diferente  da religião, política, da filosofia e da ciência.
  • Na religião, era vergonhoso crer na ressurreição de Cristo, ter uma vida sem ostentação, e aguardar a volta de Jesus em glória;
  • Na política, assumir Jesus como seu Senhor e Rei, era confronto certo;
  • Na filosofia, ter um Deus, que “não teve por usurpação ser igual a Deus”, mas que se humilha e se permite crucificar, era vergonhoso;
  • Na ciência, a história de ter se encontrado com Deus e escutado sua voz e chamado, quando ia a Damasco, fugia à razão;
Mas Paulo, não se envergonhava, continuava recontando seu encontro com Cristo, pregando o cumprimento das Escrituras, os ensinos de Cristo, sua morte, ressurreição, seu retorno glorioso, ressurreição dos mortos e o arrebatamento da igreja. Disto também, eu não me envergonho.
MAS EU ME ENVERGONHO:
  • Da mercantilização do evangelho. Vendemos relíquias como meio de graça: rosas, toalhas com suor santo, sabonete, sal grosso, espada de São Jorge para lutar contra satanás, óleo do monte das oliveiras e outras tantas;
  • De como visões, sonhos e as experiências de “arrebatamento”  individual, se tornam como fonte de doutrina;
  • De ver, como em nosso meio, boatos são vendidos como fatos, mas quando se é conveniente, fatos são vendidos como boatos;
  • De que pastor tenha outro preço, além do sangue precioso de Jesus;
  • De fazermos política eclesiástica, e ainda usando as mesmas regras e valores mundanos;
  • Da ausência de qualidade e integridade de pessoas que portam uma credencial de pastor;
  • De quem despreza o estudo teológico, mas me envergonho mais ainda de quem confunde formação teológica, com o chamado de Deus para pastorear;
  • De ver a igreja assumir posturas “politicamente corretas”, mesmo contrariando os princípios da Palavra de Deus, apenas para “ficar bem na fita”;
  • De chegarmos tão fragmentados ao centenário das Assembléias de Deus no Brasil,  a ponto de não termos condições de celebrar juntos;
  • De nossa fragmentação, pois ela nos impede de termos uma rede educacional, do básico ao superior;
  • De que este “negócio chamado igreja”, está cada vez mais desvalorizado, enquanto cresce, e como cresce,  esta “igreja chamada negócio”;
  • De que não sentimos vergonha de todas essas mazelas;
Como eu sonho com uma nova maneira de ser pastor, de liderar, de gerir as finanças eclesiásticas, de formar e  ordenar obreiros. Que Deus me ensine a me envergonhar das coisas de que se deve envergonhar e a não me envergonhar dos fundamentos do evangelho de Cristo, pois “eu amo a mensagem da cruz, até morrer eu a vou proclamar. Levarei eu também minha cruz, até por uma coroa trocar”
Walter da Mata

COMPARTILHE:

2 comentários:

  1. Alguns dizem que recordar o passado é sofrer duas vezes, pois eu preferiria sofrer várias vezes do que viver esse momento sombrio da igreja do Senhor na terra (Brasil)Mas falar não basta, a ação fala mais alto. Ainda tem jeito para a igreja. Fazer como Deus disse para Moisés: Começo tudo de novo.

    ResponderExcluir
  2. Belo texto. Que esse nosso sonho por uma igreja mais simples e menos corrompível se torne real.

    Abraço.

    Guímel.

    ResponderExcluir