NAVEGUE AQUI

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

VIVENDO A DOR DA REJEIÇÃO






Ser mulher na cultura judaica dos dias de Jesus, ainda era ser alguém de nível inferior aos homens, talvez seja por isso que Jesus valorizou a presença de mulheres em sua equipe ministerial.
Mas uma mulher em especial viveu a dor da rejeição em uma dose maior, afinal, ser despedida do lar por cinco homens diferentes, não lhe acrescentava nada de positivo. Dar carta de divórcio era prerrogativa masculina, homens podiam dispensar as esposas, mas esposas não podiam se livrar de maridos inconvenientes. Essa mulher, moradora da aldeia de Sicar, no território de Samaria, colecionava na estante de sua casa cinco cartas de divórcio; isso acarretava ainda mais uma rejeição: a da sociedade. O que havia de errado com ela? Porque os homens a despendiam? Para complicar, agora estava morando com um homem que era marido de outra mulher. Gente assim foge das pessoas e as pessoas fogem dela.
Até para ir ao poço em busca de água, tinha  hora das pessoas “dignas” e  hora das “indignas”. Era bom que os caminhos não se encontrassem.  No seu horário de ir a fonte, a mulher encontra um homem judeu assentado junto ao poço milenar, cavado por Jacó. Era hora de viver mais algumas rejeições: a de gênero, a racial e a religiosa; mas, foi surpreendida por uma conversa de acolhimento, de ter alguém para ouvir sua história, de não ver um rosto virado, quando sua vida rejeição foi exposta; não recebeu acusação sobre o arranjo conjugal em quem vivia no momento. Fez perguntas sobre a fé, e diferente de qualquer outro judeu, recebeu de volta uma resposta amorosa.
É incrível, mas Jesus estava ali a serviço do Pai, buscando verdadeiros adoradores e vai encontrar bem longe do templo ou de qualquer sinagoga, nesse coração sedento de Deus. Ali, seu coração, nove vezes rejeitado, recebe aceitação. Jesus se declara ser o Messias que ela tanto esperava e que estava muito feliz em conversar com ela.
Um ato de amor tem poder para  curar uma vida de dor. Deixar o cântaro de água junto ao poço, entrar na cidade gritando aos ouvidos de todos, levar as pessoas à Jesus e depois levar Jesus para ficar com eles por dois dias, é um reencontro do ser consigo mesmo.
Fico imaginado que Jesus deve ter se hospedado na casa dela e ela sorridente dizendo: todo mundo me rejeitou, mas Deus me aceitou e passou dois dias lá em casa! Isso também pode acontecer com qualquer pessoa que buscar esse encontro com Jesus.
Walter da Mata
21/10/2016



COMPARTILHE:

Um comentário:

  1. É por essas e por todas as outras que amamos esse Jesus! <3

    ResponderExcluir